terça-feira, 16 de junho de 2009

príncipes desencantados

Basta uma mulher nascer, ler um conto-de-fada, construir em sua imaginação um príncipe encantado para que, alguém mais experiente (ou insensível), corte suas ilusões com uma frase-lâmina: menina, príncipes encantados não existem! Ok, não esquecemos que eles tem chulé, assistem a jogos intermináveis de futebol enchendo a sala de latinhas de cerveja, discutem a relação de corpo presente e pensamentos em lugares que você nem quer imaginar quais são. Mas nem por isso deixam de ser príncipes.

Homens-príncipes, de carne e osso, não sentem vergonha de amar, muito menos de estar ao lado de uma mulher e construir uma vida juntos. Dividem as contas no restaurante e mandam flores em um dia comum, não em datas comemorativas. Sabem surpreender, te ajudam com as compras do mercado e te dão a mão para subir mais alto. São fortes em seu 1,80m ou 1,60m de altura. Futebol é uma paixão, não maior que sua profissão ou sua família. Homens fortes não precisam de fanatismos como única forma de demonstrar amor. Fazem isso quando o sentem, com consciência e tranqüilidade.

Sabem identificar a beleza de uma mulher através de seus olhos. São ambiciosos na medida em que seus sonhos os alavancam para posições reais e desejadas com maturidade, mas mantém os pés no chão. Não prometem, executam. Falam menos e fazem mais. São reais e admitem um passo em falso. São seguros o suficiente para compreender que a sua amiga precisa de uma noite para assistir filme e dormir ao seu lado na cama. Pedem a sua ajuda e oferecem aquela que eles podem te dar, como um bom e velho amigo de infância. Sem mentiras ou enfeites. Príncipes não apelam para o cavalo branco e a capa cravejada de pedras preciosas para conquistar uma mulher.

E ainda te dão aquele beijo de deixar sem ar, te conduzem até o altar, cartório ou à porta do novo apartamento que vocês compraram juntos, em suaves e numerosas parcelas que parecem nunca acabar. Ainda te dão um final feliz. A cada dia em que vocês deitam juntos na cama, num acordo silencioso de lutar por um amanhecer mais tranqüilo. Sim, alguns homens que perambulam por aí ainda são os personagens que sonhamos outrora. Porque estão ali por nós e nos amam. Para reconhecer um príncipe é preciso analisar bem mais que uma chegada triunfal ao castelo ou o brilho impecável de seus cabelos à luz do sol. Você terá que ler nas entrelinhas e assumir a realidade dos bastidores para encontrá-lo. E não será por falta de encanto que esse encontro deixará de existir. Sendo um conto-de-fadas ou não, qualquer história que traz em seu roteiro características essenciais fortes o bastante para sustentá-la supera erros reais, perdoáveis e compreensíveis.

4 comentários:

  1. To sempre aqui te lendo, miga..tentando te sentir um pouco como ja que faz horas que nao conversamos longamente e loucamente no msn...heheheeh Mal posso esperar pra te ver em outubro!
    TE AMO!

    ResponderExcluir
  2. Oi

    Te convido pra conhecer meu Blog e minhas idéias.
    Qdo. tiver um tempinho, dá um pulo lá.

    http://www.julio-verdi.blogspot.com/


    Bjs


    Júlio Verdi

    ResponderExcluir
  3. Amiga! Tu deveria escrever no ZH! Adoroooo

    ResponderExcluir